Open Finance News - Open Data é a evolução do Open Banking

Open Data busca compartilhamento de dados para outros segmentos da economia

Buscando novos modelos financeiros para o desenvolvimento e crescimento do mercado no Brasil, o Banco Central (BC) se inspirou no Open Banking desenvolvido na União Europeia e no Reino Unido, para trazer um modelo de Sistema Aberto para o país.

O objetivo desse método é oferecer produtos e serviços personalizados a cada cliente, com o compartilhamento de dados através da integração dos sistemas das diversas instituições financeiras, instituições de pagamento e fintechs. 

Em implementação no Brasil, o Open Banking irá contar com 4 fases distintas, que devem ser finalizadas até 2022. Atualmente, o modelo está em sua 2ª fase de execução, que possibilita aos clientes a autorização do compartilhamento de seus dados cadastrais de informações sobre suas transações financeiras relacionadas a contas, operações de crédito e cartão com outras instituições.

Mas enquanto o Open Banking ainda desenha a sua trajetória no país, o modelo já conta com novas possibilidades em outros países. Chamado de Open Finance, a nova proposta tem como objetivo estender o projeto para seguradoras, gestoras de recursos e outras instituições.

Porém, enquanto a Europa aguarda os próximos episódios dessa evolução, o Reino Unido já pensa em ir além, com o Open Data.

Open Data

Também conhecido como “Open Everything”, o Open Data é o avanço do conceito de Open Finance.

Em 2020 o governo britânico divulgou o chamado “Next steps for Smart Data”, um conteúdo que tem por objetivo abrir o debate sobre o desenvolvimento de uma nova estrutura política para identificar como um melhor acesso e disponibilidade de dados podem apoiar a inovação e o crescimento do país.

Assim, a iniciativa, que foi batizada de Smart Data, deve progredir com o desenvolvimento do Open Finance e acrescentar novos setores como energia e telecomunicações. A ideia é também incluir futuramente os setores de educação, varejo, transporte e saúde.

Já a União Europeia publicou em 2020 o relatórioA European Strategy for Data, sugerindo recomendações sobre o compartilhamento de dados em novos setores como: manufatura, mobilidade, energia, meio ambiente, agricultura, ciências e muitos outros. A ideia é que, até 2030, seja regulamentada uma infraestrutura adequada.

Outro país que também já pensa em novas estratégias é a Austrália. Denominado “Consumer Data Right”, o projeto prevê que os segmentos de energia e telecomunicações sejam os próximos a serem trabalhados.

Ao ser implementado, o Open Data abre possibilidades para a criação de novos modelos de negócios e de soluções para o consumidor de produtos e serviços em diferentes segmentos da economia, proporcionando, por meio de novas tecnologias, segurança e agilidade para instituições e clientes.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no google
Compartilhar no pinterest
Fique por dentro da maior plataforma de Open Finance do Brasil

Ficou interessado em nossas soluções?

Envie uma mensagem!