Identidade sintética: fraudes no ambiente Open Finance

A promulgação da Lei 14.155, em 27 de maio deste ano, aumenta a gravidade de crimes envolvendo violações de dispositivos, furtos e estelionatos cometidos de forma eletrônica ou pela internet.

Aplaudida no mercado financeiro, a presidente da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), Sílvia Scorsato, afirmou por meio de nota que a nova lei é motivo de comemoração.

“Os bancos, de modo geral, têm sofrido muito com golpes praticados contra seus clientes – phishing, sin swap e engenharia social. Essa é uma forma de punir e, consequentemente, diminuir o número de fraudes no mercado financeiro”, disse Sílvia.

Sem dúvida, a Lei 14.155 é mais um importante passo para coibir a ação de fraudadores, mas, quando o assunto é segurança de dados, é preciso estar sempre alerta.

Os especialistas em segurança da informação têm se debruçado no combate a um tipo de fraude que vem crescendo no Brasil desde 2018: a identidade sintética.

Identidade sintética

Na prática, isso significa que o golpista faz uma combinação entre dados reais e informações falsas para conseguir benefícios com a criação de contas bancárias, como a concessão de empréstimos.

Anderson Torres, Head of Security da idwall, empresa especializada na validação de identidades, diz que, entre 2018 e 2021, a empresa identificou um aumento significativo nas tentativas de fraude com o uso de CPF de crianças e de pessoas já falecidas. Essas tentativas, segundo Torres, geralmente são indicativos de uso de identidade sintética.

”A fraude de identidade sintética é muito comum nos Estados Unidos. No Brasil, a pandemia facilitou esse tipo de golpe. Além disso, o aumento da oferta de dados pessoais com episódios de vazamentos acelerou a construção de perfis falsos.
Por outro lado, em 2020 vimos que as empresas já perceberam o problema e estão se movimentando para solucioná-lo”

diz Torres

Quando há um vazamento de informações, o fraudador tem acesso a diversos dados reais e os mescla com os falsos. A partir daí, o golpista começa a tentar validar esses dados em instituições financeiras.

De acordo com Torres, a identidade sintética demora a ser identificada, geralmente só é percebida quando a instituição financeira não consegue efetuar uma cobrança. O caminho para evitar esse tipo de golpe é perceber a validação de identidade como uma ciência.

“É preciso usar a tecnologia para uma validação confiável e proteger os dados. Temos que combinar biometria, consultas simultâneas em diversas bases de dados e uso de inteligência para verificar o potencial risco em um simples pedido de abertura de conta”

afirma Torres
Open Finance e identidade sintética

No ambiente de Open Finance, a identidade sintética é uma ameaça real porque pode criar um lastro. Mas a boa notícia é que ela pode ser combatida, basta adicionar generosas doses de cautela.

“É preciso adicionar camadas de validação, usar o aprendizado de máquina para analisar as transações do titular da conta bancária. Quando adicionamos camadas de inteligência e verificações adicionais, diminuímos o potencial de fraudes. É mais um trunfo para clientes, como a Celcoin, no combate à fraude”, ressalta Torres.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no google
Compartilhar no pinterest
Fique por dentro da maior plataforma de Open Finance do Brasil

Ficou interessado em nossas soluções?

Envie uma mensagem!