Categorias
Mercado Financeiro Na mídia Open Banking Open Finance Segurança da Informação

Pix mais seguro: Banco Central divulga novas medidas

Com a facilidade de acesso a contas bancárias por meio de dispositivos móveis, uma das grandes preocupações das instituições financeiras hoje está em garantir a segurança das instituições e dos usuários finais.

Para dificultar fraudes e outros crimes relacionados ao Pix, o Banco Central anunciou novas ações para conter possíveis atentados a contas de usuários que já utilizam os serviços de transações. De acordo com Roberto Campos Neto, presidente do BC, as medidas devem entrar em vigor já nas próximas semanas.

“Assim como o mercado se ajustou no passado, reduzindo os valores dos saques noturnos, também iremos aperfeiçoar a ferramenta do Pix.”

afirmou Roberto Campos Neto

O Banco Central já registrou cerca de 283 milhões de chaves Pix, o que demonstra a alta adesão do serviço pela população e a necessidade de aprimoramentos de segurança para sua utilização, uma vez que essa ferramenta também fará parte da implementação do Open Banking no Brasil.

Confira algumas das alterações nas medidas de segurança:

  • Limite de R$ 1.000,00 para soma das operações efetuadas entre pessoas físicas (inclusive MEIs) utilizando o Pix entre 20h e 6h, incluindo transferências intrabancárias, liquidação de TEDs e cartões de débito;
  • Obrigação do mecanismo de marcação do Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT) para contas com indícios de utilização fraudulentas no Pix, inclusive para contas do mesmo participante;
  • Diminuição ou aumento dos limites do sistema em períodos diurno e noturno. As diminuições entram em vigor no mesmo momento, já os aumentos demoram entre 24 e 48 horas;
  • Oferta de funcionalidade por parte das instituições, que permita usuários cadastrarem, de forma prévia, contas que poderão receber Pix acima dos limites determinados;
  • Prazo mínimo de 24 horas para que o cadastramento prévio de contas através de canais digitais comece a funcionar, impedindo o cadastramento imediato em situação de risco;
  • Prazo mínimo de 24 horas e máximo de 48 horas para que sejam efetivados os pedidos de aumento de limites de transações com meios de pagamento feitos por canais digitais (TED, DOC, transferências intrabancárias, Pix, boleto e cartão de débito);
  • Permissão para que os usuários retenham a transação por 30 minutos durante o dia ou por 60 minutos durante a noite, para a análise de risco da operação;
  • Exigência de histórico comportamental e de crédito para que empresas possam antecipar recebíveis de cartões com pagamento no mesmo dia.