Categorias
Open Banking

Banco Central dá sinal verde para serviço de iniciação no Pix

O Banco Central (BC) inicia em agosto os testes para o serviço de iniciação de transação de pagamentos de Pix. O objetivo é dar mais facilidade e comodidade nas transações de pagamento e transferências com o Pix, além de fomentar um ecossistema de inovação.

A partir da chegada dos iniciadores de pagamentos no ambiente Pix, será possível começar uma transação sem necessariamente ter que acessar o aplicativo do prestador de serviço de pagamento, diz Carlos Eduardo Brandt, chefe da Gerência de Gestão e Operação do Pix.

Para prestar o serviço de iniciação no Pix, é preciso ser habilitado em duas etapas. Na primeira fase, o candidato a prestar o novo serviço tem que comprovar a certificação do open banking como iniciador de pagamentos. A segunda etapa inclui uma bateria de testes elaborados pelo BC, que começam no início de agosto. Esses testes são específicos para atuação do iniciador no ambiente Pix e incluem procedimentos como geração de QR.

Brandt explica que o serviço de iniciação no Pix será feito em etapas para que as instituições tenham tempo suficiente de efetuar ajustes nos seus sistemas, sejam aprovadas nos testes e, então, homologadas no BC.

 “Não estamos adotando uma entrada total, ou seja, implantar todas as funcionalidades ao mesmo tempo. Estamos modulando a entrada para que todos os agentes envolvidos possam fazer ajustes necessários”

diz Brandt

De acordo com o cronograma do BC, a entrada do serviço de iniciação de pagamentos restrita à inserção manual e a utilização da chave Pix, na prática, são as transações para transferência simples entre pessoas físicas, está prevista para iniciar em 30 de agosto.

A etapa para pagamentos no comércio eletrônico acontece a partir de 30 de setembro. As transações com QR Code e a opção para agendamento serão liberadas a partir de 1º de novembro.

Mais fluidez para o usuário

No ambiente Pix, o serviço de iniciação acontece quando uma instituição que oferece essa modalidade é diferente da instituição que detém a conta de um usuário pagador. Na prática, o iniciado pode facilitar transferências por Pix em aplicativos de mensagem, sem que o usuário deixe o ambiente de mensagem ou a rede social e tenha que acessar o aplicativo do banco. A mesma dinâmica é válida para os pagamentos em comércio eletrônico.

Breno Lobo, consultor da Gerência de Gestão e Operação do Pix, explica que o iniciador não é um intermediário, é uma figura independente do banco. A iniciação é complementar às soluções disponíveis hoje no Pix, como chave e QR Code. Trazer o iniciador para o ambiente do Pix significa trazer mais modelos de negócios e complementar o que é oferecido hoje, diz Lobo. O open banking possibilita que esse iniciador acesse toda e qualquer instituição que participe desse ecossistema.

“O usuário vai continuar podendo fazer o Pix pelo app do banco, se quiser, mas com a iniciação, a jornada é mais fluida. Se consideramos um processo de transferência em um aplicativo de mensagens ou em uma rede social, se o usuário quiser mandar um Pix, sem o iniciador, é preciso sair do aplicativo e entrar no aplicativo do banco. Com o serviço de iniciação, se o aplicativo de mensagem atuar como iniciador, a transação é feita num único ambiente, o usuário só precisa autenticar, o que é feito automaticamente”

explica Lobo

Segundo o chefe da Gerência de Gestão e Operação do Pix, não existe do lado do Banco Central uma expectativa específica sobre o número de iniciadores que vão aderir ao Pix. Segundo Brandt, os serviços de iniciação de pagamentos podem ser prestados por mais agentes, não apenas os iniciadores puros, ou seja, instituições que não oferecem contas transacionais, mas que prestam serviço de iniciação de pagamentos.

Confira a atualização das regras do Pix pela Resolução BCB nº 118 e abaixo o cronograma para o serviço de iniciação no Pix.

Escalonamento de funcionalidades

30/08 – Iniciação de inserção manual e chave Pix: transferências simples, majoritariamente P2P.

30/09 – Iniciação de processo direto pelo iniciador: pagamentos por e-commerce e m-commerce.

01/11 – Iniciação de pagamentos e transferências simples: leitura por QR e funcionalidade de agendamento.

Processo de adesão no Pix

02/08 – Etapa Cadastral: adesão como participante do iniciador e ao serviço do PSP.

09/08 a 23/08 – Primeira etapa de testes Pix: inserção manual e de chaves Pix em transferências. Aplicação em 30/08.

01/09 a 23/09 – Segunda etapa de testes Pix: iniciação pelo recebedor em casos de e-commerce e m-commerce. Aplicação em 30/09.

01/10 a 22/10 – Terceira etapa de testes Pix: QR Codes e agendamento. Aplicação em 01/11.