Categorias
Open Banking

Banco Central divulga novo calendário para a segunda fase do Open Banking

A um dia da data prevista para o início da segunda fase do Open Banking no Brasil, o Banco Central (BC) anuncia alteração no cronograma do processo. Com a mudança do calendário, o início da segunda fase foi adiado de 15 de julho para 13 de agosto deste ano. Nessa fase, será permitido o compartilhamento de dados cadastrais e transacionais dos clientes de instituições bancárias.

Segundo o Banco Central, o pedido de adiamento foi uma iniciativa da equipe de governança do Open Banking. A alteração do cronograma foi necessária para manter a segurança do processo. A equipe de governança verificou que alguns participantes, entre bancos e fintechs, ainda estão finalizando procedimentos para certificar homologações e registrar suas respectivas APIs (do inglês Application Programming Interface).

Confira o cronograma

A princípio, o adiamento da segunda fase não interfere nas datas previstas para o início das outras duas fases que completam o processo de Open Banking no país. O início da terceira fase está previsto para 30 de agosto. Nessa etapa, será permitido o compartilhamento de serviços referentes a transações de pagamento e encaminhamento de propostas de operações de crédito.

Segundo o Banco Central, com a implantação da terceira fase do Open Banking, o acesso a serviços financeiros será facilitado. O cliente poderá escolher o canal mais conveniente para acessar esses serviços, sem que haja prejuízos na segurança da operação. Como na segunda fase, o compartilhamento dos dados só será realizado após a autorização prévia e específica do cliente.

A quarta e última fase de implantação do Open Banking no país está prevista para 15 de dezembro de 2021. Nessa fase, dados sobre demais serviços financeiros passam a fazer parte do ambiente de Open Banking.

Caso o cliente queira e autorize, ele poderá compartilhar, com instituições financeiras reguladas pelo Banco Central, informações sobre: operações de câmbio, investimentos, seguros, previdência complementar aberta e contas-salário. Os clientes também poderão ter acesso a dados dos produtos com essa natureza que estão disponíveis no mercado e detalhes sobre sua contratação.

Com a adoção do Open Banking, o Banco Central dá protagonismo ao consumidor para que ele tenha acesso a uma ampla oferta de produtos financeiros, mais personalizados e acessíveis.